terça-feira, 6 de janeiro de 2009

No Promises.


Ao contrário dos outros anos, em 2009 resolvi não fazer promessas de reveillon. Nem simpatias: não comi 12 uvas, não comi lentilha, não comi romãs, não acendi velas, não pisei com o pé direito na hora da virada. Também não pulei as sete ondas.

Não tive uma crise de rebeldia. Ao contrário.
Passei de branco, pra simbolizar minha paz, e de amarelo, pra reverenciar o Sol, que vai reger 2009.

Nunca me vi tão madura para fazer escolhas e seguir minha intuição. Por isso não fiz promessas. Porque sei que não vou cumpri-las. Porque, talvez, não sejam minhas metas, nem minhas reais necessidades.

Na hora dos abraços, minutos depois da virada, e entre amigos muito queridos, ouvi votos de amor, sucesso, saúde, paz.

De outra pessoa ouvi também um "juizo em 2009, viu, mocinha".

Na hora fiquei muito brava porque o que eu mais quero são realizações!! Juizo... ora bolas... Depois pensei no caso. Talvez essa não seja a palavra, mas é preciso foco pra continuar na minha caminhada, afinal, fiz escolhas muito sérias.

Logo após a virada, a queima de fogos e o brinde de champagne com os amigos, fui até o mar agradacer minha vida e tudo o que aconteceu em 2008. Tudo mesmo: vitórias (que me fizeram continuar), tombos (que me fizeram levantar) e oportunidades (que me fizeram tentar de novo).

Pra não dizer que não pedi nada, mentalizei apenas que este ano novo seja assim, cheio de novas e boas oportunidades. Ah! e que não me falte forças, nem amor, pra recomeçar. Caso isso seja necessário.

Feliz 2009 a todos!!

Um comentário:

Robson disse...

Ei Andréa! feliz 2009 pra vc... ler seu seu texto foi muito bom, especialmente nesse ponto:[b]Mas é preciso foco pra continuar na minha caminhada, afinal, fiz escolhas muito sérias.